Instituto Gabi pode fechar as portas se não conseguir uma sede própria

 
Há dez anos, o Instituto Gabi atende crianças e adolescentes com deficiências, de 6 a 18 anos, oferecendo atendimento nas áreas da saúde, educação, cultura e apoio sócio-familiar. Promove a inclusão e a qualidade de vida para estas pessoas. Nesta década, o Instituto Gabi beneficiou centenas de crianças e adolescentes de baixa renda na cidade de São Paulo e agora precisa de ajuda para adquirir sua sede própria e não fechar as portas.

A ONG, idealizada por um pai, o jornalista e professor universitário Francisco Sogari, logo se tornou referência no cuidado com jovens com deficiências múltiplas (física e intelectual). Sogari idealizou o projeto após perder a sua filhinha Gabriele, na época com apenas seis anos, vítima de atropelamento, em 2001. “Com o Instituto Gabi, minha vida mudou completamente. A dor continua, mas vejo que a Gabriele está presente no semblante destas pessoas que são atendidas na casa a ela dedicada", revela Sogari.

Atualmente, o Instituto Gabi funciona em um prédio alugado com recursos da Prefeitura na Vila Santa Catarina, zona Sul. “Adequamos o prédio para o público com deficiência, observando as necessidades e as normas de acessibilidade”, explica Sogari. Foi um bom investimento, viabilizado por algumas empresas. Por essa razão, a primeira opção para o Instituto seria a compra do imóvel, já conhecido pela população e readequado às necessidades dos atendidos, mas faltam recursos financeiros. “Temos sobrevivido com ajuda de empresas e da Prefeitura, recebendo doações, promovendo eventos e bazares beneficentes. Contudo, para adquirir este imóvel ou algum outro espaço, precisamos de mais recursos”, explica Sogari. Ele acredita que a ONG perderá prédio até o final do ano, já que o proprietário do imóvel quer reajustar o valor do aluguel num patamar inviável, caso contrário o pedirá de volta.
 
Como ajudar o Instituto Gabi a não fechar suas portas

O Instituto Gabi criou a campanha do tijolo, na qual o doador pode comprar quantos tijolos puder, ao custo de R$ 2,50 a unidade, depositando o valor na conta corrente do Instituto (Bradesco: Ag. 1480-0 CC 34620-9 – Itaú: Ag. 0767 CC 38918-2 Banco do Brasil AG: 1545-5 CC 38918-2). Segundo Sogari, o valor do tijolo é simbólico e tem como objetivo levantar recursos para que o Instituto conquiste uma sede própria. “Outra possibilidade é a cessão ao Instituto de uma área ou prédio, em regime de comodato, com contrato e prazo pré-estabelecido para o uso”, destaca Sogari.

Periodicamente, o Instituto realiza um Bazar Social com mercadorias que são revertidas em recursos para a realização do trabalho. “Doações de empresários e lojistas, como pontas de estoque de roupas, material de limpeza, brinquedos, entre outros, são vendidos a preços baixos no bazar, trazendo recursos para o Instituto. Segundo Sogari, vale lembrar que as empresas que ajudam projetos sociais têm isenção fiscal, podendo ter sua contribuição deduzida do imposto de renda. Saiba mais em: http://fumcad.prefeitura.sp.gov.br/forms/principal.aspx


A Nota Fiscal Paulista também pode se tornar um meio de ajudar o Instituto a adquirir um novo local. Ao comprar uma mercadoria, você pode fornecer o CNPJ do Instituto Gabi (04601038/0001-70), assim os recursos serão direcionados para o atendimento de crianças e adolescentes da ONG.

Para doar objetos, brinquedos e roupas, ou oferecer trabalho voluntário, entre em contato com o Instituto Gabi, pelo telefone (11) 5564-7709, pelo email, faleconosco@institutogabi.org.br / institutogabi@terra.com.br ou consultando o site www.institutogabi.org.br