Posse do governador de São Paulo Geraldo Alckmin



Estive hoje (01/01/2011) na posse do governador Geraldo Alckmin. Na cerimônia o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o ex-governador José Serra, o senador eleito por São Paulo Aloysio Nunes e o prefeito da capital paulista, Gilberto Kassab. A solenidade começou pouco depois das 12h, com Agnaldo Rayol cantando o hino nacional. O auditório do Palácio dos Bandeirantes ficou lotado e Alckmin foi muito aplaudido. Merecidamente. No final, um breve vídeo feito no hall principal do Palácio dos Bandeirantes.

Leia abaixo a íntegra do discurso de transmissão de posse de Geraldo Alckmin.

'Em momentos como este, em que olhamos para o futuro, cabe-nos contemplar, mais uma vez, a história de que fazemos parte e as pessoas que sonharam e lutaram nesta terra antes de nós.
Sob a inspiração do padre José de Anchieta, o jesuíta Baltazar Fernandes legou-nos, em carta de 1568, uma síntese preciosa do espírito que movia os primeiros paulistas.
Escreveu, ele, em São Vicente: "Andamos, ordinariamente, descalços, passando águas, que há muitas nesta terra, e isso não uma vez, senão frequente; passamos caminhos e matos mui trabalhosos, e muitas vezes não temos nem um punhado de farinha da terra para comer".
A lembrança dos esforços dos jesuítas revigora minha convicção de que é a vida pessoal modesta que forma o homem público responsável, dedicado, capaz de colocar-se a serviço da população em todas as circunstâncias.
E orgulha-me pensar que a pujança de São Paulo deve-se ao fato de que as muitas águas, que sempre existiram nesta terra, tornaram-se ainda mais abundantes quando a elas se juntou o suor de gerações de trabalhadores.
Hoje, me apresento diante do povo como mais um desses incansáveis trabalhadores.
Assumo essa responsabilidade com clareza de consciência e alegria no coração.
Assumo, tendo os versos do poeta Renato Russo como inspiração:
"Disciplina é liberdade.
Compaixão é fortaleza.
Ter bondade é ter coragem."
Assumo o compromisso de trabalhar todos os dias, desde o primeiro dia. De acolher e ouvir a todos. De enfrentar os problemas, apontar os caminhos. De dar, permanentemente, o exemplo, personificar os valores e princípios que formam e nos quais acreditam os paulistas.
São Paulo é, como declarou Júlio Ribeiro, criador de nossa bandeira, "... a gênese do povo brasileiro, negros, índios e brancos". E uma generosidade enorme para receber e abraçar os povos do Brasil e do mundo, tornando todos um só: brasileiros de São Paulo.
São Paulo é a síntese do trabalho em favor do Brasil, e esse será o espírito e o fio condutor de meu governo.
Nesse sentido, vamos ter com a Presidente Dilma a melhor das relações.
Vamos colaborar, vamos trabalhar para que o Brasil cresça e ocupe seu devido lugar. Mas isso sem esquecer de trabalhar e reivindicar tudo o que São Paulo precisa do governo federal, lutando por aquilo que é direito do povo paulista.
Impossível, em circunstâncias como esta, não lembrarmos os momentos marcantes que vivemos e não nos perguntarmos até se somos merecedores das nossas conquistas.
Para um político, um servidor público como eu, estar diante do povo e assumir os compromissos que hoje assumo são momentos, além de solenes, de grande realização pessoal.
Ser governador de São Paulo é uma honra. Assumir esse compromisso pela terceira vez é uma responsabilidade e um desafio que exigem o melhor dos meus esforços e da minha dedicação. Tenham certeza, brasileiros de São Paulo: assim será.
Mas, para além do desafio pessoal, há o legado, a continuidade e a inovação característicos desses dezesseis anos do projeto político que representa a forma e o estilo de governar do meu partido, o PSDB. Defender, aprimorar e inovar, para ampliar ainda mais o nosso legado em São Paulo, são os desafios que o povo paulista me confiou.
Mario Covas, José Serra, Alberto Goldman, eu mesmo, além de Cláudio Lembo, dos Democratas, demos nossa contribuição, e agora me foi confiada a responsabilidade de continuar esse caminho, pavimentando novas frentes de trabalho na construção do futuro de São Paulo, sempre a serviço do Brasil.
Vamos fazer isso juntos!
Permitam-me, agora, por merecimento, falar de José Serra e ressaltar que, para maior sorte de São Paulo, ele trouxe ao governo do estado as mesmas características que marcaram sua atuação parlamentar, bem como sua passagem pela Secretaria do Planejamento, na gestão de Franco Montoro; pelos Ministérios do Planejamento e da Saúde, no governo Fernando Henrique, e pela prefeitura de São Paulo. O brilho da sua inteligência, a consistência do seu pensamento, sua criatividade e enorme capacidade de trabalho, além do inarredável compromisso com a ética fizeram também dele uma grande liderança nacional.
Todos nós acreditamos na descentralização administrativa, no municipalismo, na força da comunidade. Temos nos nossos prefeitos e prefeitas nossos principais aliados, pois nossa ação acontece nos municípios, e não há quem conheça melhor as necessidades da população do que eles.
Vamos ter uma relação republicana e de profundo respeito com os poderes Legislativo e Judiciário, com os quais, dentro dos princípios constitucionais da harmonia e independência entre os poderes, contamos para realizar mais a favor da nossa população.
Um dos maiores segredos do sucesso de nossos governos foi trabalharmos atentos às vozes da sociedade. Vamos aprimorar os canais de comunicação com o povo paulista e seus representantes.
Não somos donos da verdade. Temos consciência disso. Mas para além da legitimidade conquistada nas urnas, é preciso construir todos os dias a força do governo no diálogo permanente com a sociedade.
A palavra "colaboração" nunca esteve tão em voga. A internet, a web 2.0, as redes sociais, os novos paradigmas da sociedade de informação e comunicação devem ser canais explorados pelo nosso governo para avançar na relação com a sociedade.
Devemos fazer isso de uma nova forma, permitindo que as pessoas possam intervir mais na nossa administração, que façam sugestões, que nos ajudem a apontar os caminhos, que convirjam conosco para a solução dos problemas e a melhoria da qualidade de vida dos paulistas. A cidadania tem na tecnologia um novo aliado e nosso governo quer aprender junto à sociedade a navegar por esses novos caminhos.
Nosso trabalho e nossas propostas foram colocados à prova e a população os aprovou. Temos um bom programa de governo, que vamos cumprir. Programa que procura enfrentar os desafios colocados diante de São Paulo para os próximos quatro anos. Ele é nosso ponto de partida, a diretriz pela qual nossa administração vai se pautar.
Não temos a pretensão de inventar um caminho novo, só por inventar, abrindo picadas na escuridão, onde já há uma estrada segura, aplainada, sobre a qual podemos avançar.
Volto ao governo na condição de construtor e, ao mesmo tempo, de herdeiro de um modelo de gestão consolidado ao longo das diversas experiências administrativas que o PSDB teve em nosso país, fruto da confiança e colaboração do nosso povo.
Nunca é demais ressaltar os méritos do presidente Fernando Henrique Cardoso, cujo governo assentou, de uma vez para sempre, as bases políticas e econômicas para o desenvolvimento do Brasil - acima de tudo, pelo ambiente de estabilidade que instaurou no País, com respeito às leis e à convivência pacífica com a oposição e a Imprensa. Mas também pela evidente preocupação com as desigualdades sociais, enfrentadas com significativas reformas, sobretudo nas áreas da saúde e da educação.
O governo Fernando Henrique foi esteio para o crescimento dos Estados, e São Paulo, especialmente unido a ele, sob o comando de nosso inesquecível líder Mario Covas, esteve alinhado com essa conduta republicana e desenvolvimentista.
Se o povo paulista nos concede mais quatro anos de trabalho, é, sem dúvida, porque reconhece nesse modo de governar - democrático, empreendedor, voltado para as questões sociais -, o meio justo e eficiente de chegarmos a um estado de bem-estar social condizente com as aspirações da nossa população.
Não sairemos do rumo! Pelo bem do Brasil, unidos com o governo federal, com os demais Estados e com os municípios paulistas, trabalharemos mais quatro anos ancorados nos mesmos princípios que nortearam os dezesseis anos dos governos anteriores, cujos resultados foram julgados e reconhecidos durante mais um processo eleitoral e que nos colocam, agora, frente a novos desafios.
Já disse e reafirmo que este será o governo das oportunidades. Sem descuidar das sempre necessárias melhorias estruturais, vamos ampliar o foco no ser humano nesta nova gestão.
Cada ação administrativa deve resultar em benefícios reais, concretos, mensuráveis, para a população. Deve também abrir perspectivas e renovar a esperança da nossa gente.
A política voltada para o social, marca dos nossos governos, impele-nos, naturalmente, a dedicar atenção especial à saúde, à educação, à habitação e à segurança, condições prévias para uma vida digna e que devem, sim, ser garantidas pelo Estado.
Assumi o compromisso de melhorar o atendimento de saúde, com reformas, modernização, capacitação dos profissionais.
Assumi também o compromisso de fortalecer os ensinos técnico e tecnológico, e de ampliar as escolas de tempo integral, para que mais alunos tenham uma rotina de estudos diferenciada, e a educação ocupe o lugar central, prioritário, em suas vidas.
Empenhei minha palavra na construção de mais e melhores casas populares e na urbanização de favelas. Garanti à população que mais policiais circularão nas ruas de nossas cidades.
São essas preocupações naturais e reivindicações mais do que justas do povo paulista.
Formei uma equipe competente, com sensibilidade para ouvir as pessoas e vontade de trabalhar para a construção de uma sociedade mais equitativa. Com a colaboração deles, vou honrar minha palavra. Fiquem certos de que São Paulo vai dar um grande salto nos próximos quatro anos.
Temos a clareza do nosso papel. Não somos daqueles que acreditam ser o estado o centro de tudo, mas ser, isto sim, um ator importante no empenho de que a sociedade prospere em todas as áreas.
Ao estado cabe fomentar e oferecer instrumentos que propiciem o dinamismo que queremos para São Paulo. É esse o estado indutor do desenvolvimento, que cumpre o seu papel e que possibilita a expressão do trabalho, das atividades e manifestações da sociedade, inclusive na cultura, nas artes, no esporte - em tempos de Olimpíadas e Copa do Mundo -, enfim, em tudo aquilo que é fruto da nobreza do trabalho humano e que espelha nossa força, nossa alma, nosso espírito.
O setor privado, o terceiro setor serão estimulados a trabalhar plenamente, da mesma forma que as pessoas e a sociedade, para que produzam, realizem e gerem os empregos que os trabalhadores precisam hoje e que nossos jovens vão precisar amanhã.
Vamos ativar, por todo o estado, a capacidade empreendedora dos brasileiros de São Paulo. Vamos dar incentivos, crédito, segurança jurídica. Vamos promover a desburocratização, o treinamento e a qualificação dos trabalhadores. E, mais que esperança, vamos dar todo empenho à construção de um futuro mais próspero para todos os paulistas.
O ativismo estará presente, também, em nossas políticas ambientais, matéria em que São Paulo está na linha de frente, em nosso País. Além do exercício das competências legais conferidas ao estado, nos empenharemos em animar o processo de tomada de consciência de toda a sociedade, relativamente a essa matéria.
Fundamentado na prática de uma gestão fiscal responsável - que remonta a Mario Covas e que prosseguiu nos governos posteriores - e embasado na boa situação econômica de São Paulo - reflexo da competência de José Serra e de Alberto Goldman -, esse ativismo se traduzirá no avanço das obras de logística e de infraestrutura.
Nosso governo vai ser um governo de grandes realizações. Vamos terminar o Rodoanel, duplicar a rodovia dos Tamoios, incrementar o programa de vicinais, ampliar nossas estradas e o transporte sobre trilhos.
Ampliaremos fortemente o tratamento e a coleta de esgotos. Vamos, enfim, realizar obras estratégicas para que São Paulo mantenha sua liderança e continue a avançar.
Esse ativismo, que será o norte de toda a minha equipe, deverá envolver, também, toda a máquina estatal, todo o serviço público, pois o funcionalismo é quem, na prática, realiza as ações de um governo.
Tenho disposição e vontade de construir com todos os servidores e funcionários púbicos - com todos eles! - um novo modelo de trabalho e de política para que juntos possamos contribuir para a melhoria das condições de vida e para a felicidade do nosso povo.
Assumo, enfim, nesta manhã, a honrosa tarefa de governar São Paulo. Vamos fazer um governo ativo, solidário e sustentável.
Confio poder trabalhar com a mesma determinação dos paulistas, que todos os dias tocam em frente as suas vidas, com muito esforço e dedicação.
São Paulo é uma fábrica de sonhos. Mas é também uma usina de conquistas e realizações. Aqui se pensa, se cria, se faz. É isso que dá grandeza ao nosso estado. É isso que, todos juntos, faremos. Por São Paulo, pelo Brasil!'