Enchente, um perigo para nossos animais!!!


Todos os anos, entre os meses de janeiro e março, período das chuvas, os noticiários de rádio, televisão e jornais são tomados por reportagens sobre enchentes e deslizamentos de terra onde centenas de vidas são perdidas. 

Muito se falam sobre os estragos causados por essas catástrofes, mas pouca, ou nenhuma, atenção é direcionada aos animais, quando o assunto são os desabrigados. As autoridades mantêm o foco principal em resgatar e salvar vidas humanas. É importante lembrar que nesses lares perdidos, ou inundados, existem muitas vidas que merecem nossa atenção: os animais de estimação. 

Abaixo, algumas dicas de como resgatar e salvar nossos amigos
peludos.

PROCEDIMENTOS PARA QUEM MORA EM ÁREA DE RISCO:

CÃES:

A primeira dica é para as pessoas que vivem em áreas de risco. Evite ao máximo prender seus cães em corrente. Além de, na maioria dos casos, não ter mais que 1,5 metros de extensão, as correntes são uma forma cruel de manter seu animal.

Animais que ficam do lado de fora da casa devem permanecer soltos, pois quando forem surpreendidos por uma inundação terão chance de nadar. Os cães nadam instintivamente, mas podem se afogar por exaustão se não encontrarem um local seguro. Nossa atenção maior deve ser com relação aos animais filhotes e idosos, pois esses sim têm uma chance muito maior de afogamento.

É importante deixar um acesso ou plataforma que ajude o animal a se deslocar para um lugar mais alto e seguro. Esse acesso pode ser uma escada.

Se você permanece muito tempo fora de casa, deixe uma chave e peça a um vizinho de confiança que cuide dos seus animais caso haja uma emergência.

GATOS:

Os gatos são mais ágeis e sobem com facilidade em locais mais altos, mas nem por isso devemos deixar de nos preocupar com eles.

A maioria dos gatinhos fica trancado dentro de casa, com isso podemos impedir que ele busque um lugar seguro, então é muito importante o vizinho ajude para que você possa deixar uma janela ou porta aberta, o que ajudará o bichano a se salvar.

Na maioria das vezes as pessoas têm que sair às pressas do seu lar, deixando para trás seus pets. Algumas pessoas sensibilizadas com esses animais em perigo buscam salvá-los até que seu dono volte.

PROCEDIMENTOS PARA RESGATAR UM ANIMAL VÍTIMA DAS ENCHENTES:

Caso você encontre um animal em situação de risco por conta das enchentes, chame os bombeiros, ligue 193,pois eles são treinados e capacitados para qualquer salvamento de vítimas em condições adversas. Se você tiver a certeza de que tem condições para resgatar um animal em situação de risco, abaixo, alguns procedimentos que devem ser feitos.

Fique atento na hora de fazer tal resgate, pois diferente dos humanos os animais, na maioria das vezes, não compreendem que queremos salvá-los, podem ficar agitados e agressivos afinal eles estão em situação assustadora de ficar sem seu lar e sem as pessoas em que ele confia. Por isso, quando você se deparar com um cão ilhado em um local de risco, é importante tomar algumas providências antes de tentar salvar esse animal que você não conhece.

CÃO:

Se a vítima for um cão, procure chamá-lo de forma suave tentando acalmá-lo. Evite fazer voz em tons muito fininhos ou falar como bebê, pois o cão pode achar que você está ferido também. Tenha a mão uma guia simples ou corda feito laço, no primeiro momento, até que o cão confie em você, tente por a mão o mínimo possível nele, e tente passar a guia ou corda o
mais rápido possível no animal. Lembre-se que ele está muito assustado e uma reação de fuga ou de não quer te acompanhar é perfeitamente normal. Uma caixa de transporte é muito importante para deixar o cão ou gato até que ele se acalme e se sinta seguro após o resgate.

Caso você tenha que passar com o animal por um local alagado, é importante, se o cão for pesado, colocar a guia e mostrar o caminho que ele deve tomar puxando na direção correta. Se ele não conseguir andar e você tiver que carregá-lo, coloque uma cordinha fina em volta do focinho amarrando, depois passe pela nuca do cão, isso pode ser usado na falta de uma focinheira. Na sequência, passe um braço em volta do cão e segure firme. Com a outra mão segure a pele da nuca, isso vai dar mais equilíbrio para ambos e evitar que o cão se debata durante o resgate.

Após o resgate leve o cão imediatamente ao veterinário. Tanto os cães quanto os gatos podem adquirir doenças por causa do contato com a lama e água contaminada.

GATO:

Os gatos precisam de cuidados especiais na hora do resgate. Além de serem mais arredios que os cães, geralmente, tendem a não aceitar ajuda de estranhos. Gatoeiras, redes, luvas de raspa são equipamentos obrigatórios para evitar acidentes nesses resgates.

Caso não consiga pegar o gatinho na primeira vez, não desista! Os felinos são muito territorialistas e só em casos extremos se afastam muito do seu território. Coloque água fresca e comida onde o viu pela última vez e tente capturá-lo mais tarde.

O QUE FAZER DEPOIS DE RESGATAR UM ANIMAL:

Depois resgatar um animal é importante lavá-lo e secá-lo. Com isso, você ajuda a aquecê-lo e verifica se ele está machucado. Muitas vezes a lama dificulta a identificação correta da cor do resgatado. Nos dois casos a lama pode impedir a secagem do animal, baixando sua temperatura, o que pode levá-lo a morte, principalmente dos felinos.

Por último e não menos importante, é fundamental a identificação do animal para achar seu dono depois que as coisas se acalmarem. Prefeituras de vários municípios identificam gratuitamente os animais, facilitando o reencontro dos animais que foram deixados para trás, evitando que se tornem moradores dos já superlotados Centro de Controles de Zoonoses ou
Ongs.

Essa é a minha contribuição para uma situação que tem se tornado comum em todos os anos. Como o Poder Público não dá a devida atenção aos nossos queridos pets, cabe a nós olharmos por esses indefesos!

Jorge Pereira é Cinotécnico e Etólogo, especializado em comportamento canino.